NATURISMO E O PODER DO TOQUE

Voltar

Estudos recentes demonstram que o toque é muito mais importante do que se imagina. Ele é fundamental, por exemplo, na comunicação humana, no estreitamento de relações e na saúde. “É a primeira linguagem que aprendemos e nosso mais rico meio de expressão emocional através da vida”, diz o norte-americano Dacher Keltner, professor de psicologia da Universidade da Califórnia, Berkeley, um dos mais renomados pesquisadores da área. (1)

Tudo faz crer que o toque também tenha um lado biológico, do Conforto. Os braços não atingem algumas regiões do corpo satisfatoriamente e a solução para isso é a instituição de um sistema amigável de socorros mútuos. O desenvolvimento de muitas profissões se deu em função dessa necessidade humana. A medicina, a odontologia, a simples ida à esteticista ou ao cabeleireiro são exemplos típicos de um outro da espécie olhar e tocar. (2)

Segundo a Drª Tiffany Fiel, diretora do Instituto de Pesquisas do Toque da Universidade de Miami, não há uma única condição de saúde que temos observado – incluindo o câncer – que não tenha respondido positivamente à massagem.

Enfim, são muitos estudos dedicados sobre o assunto entre eles estão os toques nos bebês prematuros, em equipes de esportes tipo voley e basquete, em povos de diferentes nacionalidades, na área educacional. Todos eles apontam dados favoráveis ao estabelecimento dos toques.

No trabalho desenvolvido por Edson Medeiros “Naturismo e Novas Vivências”, em 1990, já chamava atenção sobre essa questão, merece uma análise mais cuidadosa. Diz ele que um amigo seu fez a observação que nas áreas naturistas as pessoas são mais livres, descontraídas e alegres, mas distantes. Ele conclui que “é a velha sociedade, com suas roupagens invisíveis ainda residindo em nós”. Persiste o tabu do corpo. Ver pode tocar não! (3)

Na verdade, reprimir instintos biológicos e cada vez mais que esses se acumulam tornam perigosos para a sobrevivência da nossa própria espécie. Por esse motivo faço a sugestão para que todas as áreas naturistas trabalhem mais sobre importância do tato instituindo a dança, massagem corporal ou atividades esportivas que estimulem esse contato físico.

Numa das declarações do Buda diz: “Olhe para o seu coração, siga a sua natureza”. Ele não diz para segui-lo, ao contrário, ele diz para fluir a sua natureza. O perigo de não se deixar fluir é que ficamos prisioneiros de um sistema econômico, político e social. Passamos a lidar melhor com os bens materiais do que com as pessoas. Não nos abrimos o suficiente para mostrar o que somos e assim perpetuamos a insegurança e as nossas frustrações porque o objetivo primeiro é o sucesso financeiro. Por isso existe tanta dificuldade de entender e aceitar o Naturismo, os sistemas acima citados lhe nega o direito de ser natural por uma questão de domínio.

Muitas pessoas ainda me diz que não têm nenhum problema em ir a uma área naturista, não tem dificuldade alguma de aceitar a nudez, desde que não seja a deles mesmos. Mas isso todos os “voyeres” também não têm. O objetivo do Naturismo é fazer as mudanças a partir de si mesmo, uma mudança de perspectiva em relação ao seu próprio corpo e que a sua natureza seja integrada com toda a existência. Por isso, tudo que diz respeito à Natureza, também tem implicações com o Naturismo e o instinto do Tato não pode ser negligenciado.

Evandro Telles

http://www.evandrotelles.blogspot.com/

(1) Revista Planeta, Edição 466, Julho/2011, Matéria escrita por Eduardo Araia.

(2) Morris; Desmond, O Maçado Nu – um estudo do animal humano, editora Record.

(3) Medeiros; Edson, Naturismo e Novas Vivências, 1990

Voltar